Receita: Brigadeiro Vegano de Biomassa de Banana Verde

O sucesso da receita de Maionese de Biomassa de Banana Verde foi tanto que estou divulgando aqui outra receita super top da minha lista de produtos feitos com biomassa de banana verde.

Se desejar saber tudo sobre Biomassa de Banana Verde, você pode baixar meu e-Book de Banana Verde: Benefícios para sua Saúde + 5 Receitas Receitas da @lurochachef.

Vamos lá a Receitinha…

 

 

Ingredientes:

1 pote de Biomassa de Banana Verde Integral 240g
1/2 xícara de chá de açúcar mascavo
3 colheres de sopa de Óleo de Coco
3 colheres de sopa de Cacau em Pó 100%

Modo de Preparo:

Coloque todos os ingredientes em uma panela de preferência antiaderente, leve ao fogo brando, mexendo sempre, até ficar brilhante e desgrudar do fundo da panela, conforme pode observar no vídeo.

Dicas interessantes:

  1. Você pode utilizar outro tipo de óleo ou gordura se preferir. Quem não for vegano, a dica é utilizar Manteiga Ghee.
  2. Você pode fazer utilizando a mesma quantidade de adoçante culinário, se for diabético. Lembre-se que se você não for diabético, é melhor consumir pouco açúcar a adoçantes.

A Biomassa de Banana Verde é uma base saudável para receitas doces e salgadas, que pode ser incluída diariamente no cardápio.

Sem glúten e de sabor neutro, a biomassa de banana verde pode substituir a farinha de trigo, soja, fécula de mandioca, amido de milho, maionese, creme de leite, etc… em diversas preparações, além de funcionar como emulsificante e espessante natural, contribui para melhora da flora intestinal.

Abraços,

Helena Muzzi
Engenheira de Alimentos

Diferença entre os pontos de carne mal passada, ao ponto e bem passada

Um bom prato de carne é um prazer que nós devemos nos permitir vez por outra em nossa dieta. Veja as nossas dicas…

Com um sabor incomparável e sendo também uma importante fonte de proteínas de alta qualidade para nosso organismo, a carne deve ser sempre tratada com carinho e preparada da melhor maneira possível.

Com diversos cortes à nossa disposição, podemos escolher aquele que mais nos agrada e sacia, além de decidir sobre a forma de preparo. O gosto individual entra em ação e temos as seguintes opções de: mal passada, ao ponto e bem passada. Independente da escolha, será preciso técnica e conhecimento na execução, para que ela fique da maneira que se espera. Vamos explicar quais as principais características e diferenças desses três modos de preparo para que você sempre acerte na cozinha e aproveite com louvor o sabor desse delicioso prato. Confira:

Carne mal passada

É o tipo de preparo que deixa a carne mais macia, com um interior avermelhado, brilhante e quente, enquanto por fora deve estar bem tostado. Para preparar, você pode fazer o que se chama nas cozinhas de “selar” a carne, que nada mais é do que deixar a superfície em contato com a chapa muito quente por um período curto de tempo, normalmente entre um e dois minutos, para um filé de dois centímetros de altura em média. Apreciadores de carne dizem que o ponto mal passado é o ideal de quem realmente gosta do sabor. Não dá pra negar que a aparência fica muito suculenta e tentadora!

Ao ponto

Para esse preparo, a carne ainda deve ter uma boa faixa rosada no centro do corte, porém suas bordas devem estar bem mais tostadas que na versão mal passada. Esse preparo deixa a carne macia ao toque, especialmente no centro. Você deve colocar o bife com cerca de dois centímetros de espessura numa chapa bem quente por cinco a seis minutos de cada lado.

Este é um ponto de consenso, caso você vá preparar carnes sem saber dos gostos dos convidados, opte pela carne ao ponto. É quase impossível errar.

 

Carne bem-passada

Este ponto é extremamente difícil de ser alcançado com maestria, pois você deve deixar as bordas completamente tostadas, mas de forma alguma podem estar queimadas. A carne já não fica macia ao toque, apresentando uma maior solidez, mas também não pode nem passar perto de estar dura. É aqui que os cozinheiros erram mais a mão! O grande segredo é proceder selando em fogo alto, mas continuar cozinhando em fogo baixo por aproximadamente dez minutos de cada lado, sempre atento para não passar do ponto.

Por definição, é a carne que fica marrom até no interior e rígida ao toque, mas sem apresentar consistência verdadeiramente dura. Dizem que é a opção favorita de quem não gosta de carne, pois essa forma de preparo mascararia seu verdadeiro sabor. Brincadeiras à parte, o corte bem-passado tem seu valor e saber fazê-lo adequadamente é uma arte.

Faça a seu gosto!

Agora que você sabe bem a diferença entre os pontos mal-passado, ao ponto e bem-passado, pode preparar seus bifes de acordo com o gosto das pessoas que você queira servir. Mais importante do que o ponto em si, é fazer da maneira certa, passando longe de queimar sua refeição ou deixar sua carne crua.

Ficou com água na boca? Afie seu facão, parta para a chapa e compartilhe nos comentários abaixo qual o seu modo de preparo preferido!

15 minutos – 200g/pessoa

Ingredientes

Carne de ótima qualidade, comprada de preferência embalada á vácuo e de fornecedores idôneos…

Modo de preparo

Grelhando a carne… Use uma frigideira, grelha ou chapa bem quente, fumegando. Mesmo que a superfície seja antiaderente, unte com óleo ou azeite para melhor condução da temperatura. Se a carne estiver pingando, seque-a em um guardanapo de papel. Além de fazer o óleo borbulhar (acarretando em sujeira e riscos de queimadura), a água diminui a temperatura de cocção. Queremos um steak grelhado e brilhante, não branco e cozido.

Não tempere a carne!!! É um pecado deixar um belo corte fresco curando no sal, no limão, alho ou temperos prontos. Simplesmente não use. Os franceses apenas salpicam sal (pouco) e pimenta do reino moída na hora (pouca) sobre o filé, já pronto, na mesa. Isso porque, por um processo de osmose, o sal seca a carne.  O tempero mascará seu delicado sabor. Para maiores detalhes de como grelhar a carne de forma perfeita, acesse nosso eBook aqui.